Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Notas de leitura sobre “Welcome to Copacabana e outras histórias, de Edney Silvestre

Dividido em três partes, “No Rio”, “Além do Rio” e “De volta ao Rio”, a capital fluminense é o ambiente que molda os personagens, mesmo quando estão distantes dela. E é a solidão na cidade populosa e maravilhosa que permeia as primeiras narrativas de Welcome to Copacabana e outras histórias, de Edney Silvestre (Record, 352 páginas).
No primeiro conto, que dá título à coletânea, a protagonista, Regina, uma viúva e avó, “mulher madura”, como prefere, “não sou velha, ainda falta algum tempo”, aguarda a virada do ano, cuidando as horas no relógio do micro-ondas, enquanto relembra alguns fatos da sua vida, principalmente a frustração de não conhecer Paris. Seus filhos não a visitam, salvo para tratar de assuntos do espólio. Ainda assim, rechaça a companhia de uma vizinha enxerida, e tenta se afastar de qualquer convívio permanente, indo almoçar em restaurantes distintos. “Sou sozinha (...), não solitária.”
“Ben que olhava o trem” é um conto impactante desde o início. Uma mãe que deixa o fil…
Mensagens recentes

Resenha sobre livro de Pedro Gonzaga

Escrevi sobre livros de poemas de Pedro Gonzaga para o site Amálgama: https://www.revistaamalgama.com.br/05/2017/resenha-em-outros-tantos-quartos-da-terra-pedro-gonzaga/

Conto "Virgínia", de "Cacos e outros pedaços"

As ovelhinhas obedientes

Notas de leitura sobre Pájaros en la boca, de Samanta Schweblin

Saí impressionado da leitura deste livro de contos da escritora argentina, uma das grandes revelações de um país já cheio de gênios contistas. As narrativas têm como norma causar estranhamento no leitor. O primeiro conto, “Irman”, não foge disso. Num bar de beira de estrada, duas pessoas são recebidas por um anão que não pode atendê-los a contento, pois a mulher que lhe alcançava os produtos necessários para a elaboração do cardápio está estirada na cozinha, provavelmente morta, e eles tentam formas para ter seus pedidos atendidos.
Em “Mujeres desesperadas”, noivas são abandonadas pelos maridos em uma banheiro de beira de estrada. “En la estepa”, um casal sente inveja porque seus vizinhos conseguiram adotar um ser, cuja misteriosa origem e fisionomia não nos é revelada. No conto seguinte um personagem perde velocidade e em outro há um buraco interminável sendo cavado.
Em outro conto um pintor expõe quadros em que cabeças são golpeadas no asfalto. Em “Matar un perro”, a prova para um cri…

A orelha escrita por Gustavo Melo Czekster para o meu livro de contos

A orelha escrita pelo escritor Gustavo Melo Czekster para o meu livro de contos "Cacos e outros pedaços", Editora Penalux. 

Notas de leitura sobre Dias perdidos, de Lúcio Cardoso

Dias perdidos, de Lúcio Cardoso, foi publicado em 1943 e gira em torno de uma família em ruínas a partir do nascimento de Sílvio, o protagonista. Clara e Jaques divergem sobre a cor dos olhos do filho e sobre o nome. Logo o pai decide ir embora, não pela divergência do casal, mas em busca de certa liberdade. É mais um personagem inspirado no pai do próprio escritor, Joaquim (Jaques é o seu equivalente francês, se não estou equivocado), nome também do protagonista de Maleita, de 1934.
A relação conflituosa com o pai é um tema. Acredito, porém, que a doença de viver é o grande mote do enredo. Sílvio doente quando criança, o melhor amigo, Camilo, com uma doença incurável e que morre cedo, o pai que volta doente depois de anos fora de casa, a namorada Diana, carioca que vai à pequena cidade para tentar melhorar da doença herdada de sua mãe (não nos fica claro qual é), a irmã e criação de Clara, Áurea, que se torna uma empregada da casa, esbanjando saúde, mas vai perdendo gradativamente a v…