Avançar para o conteúdo principal

Sísifo


1. Às vezes cansa existir. Cansa mesmo. No entanto, existimos. Não há um benfeitor que nos esmague com a ponta dos seus dedos como o faz Antoine Roquentin com uma mosca. “- Era um favor a se prestar a ela”, justifica-se perante o amigo que tentou impedi-lo. Esta passagem faz parte do romance A náusea, de Jean-Paul Sartre, ficção filosófica que discute justamente esse sentimento esquisito que é se saber no mundo. Por isso leio, leio e leio. É o que me conforta. Aliás, me causa um desconforto que me acalma. As inquietações provocadas pelas minhas leituras me conduzem, me elevam, não me deixam desistir da existência. Cansa existir. Basta, entretanto, descansar e começar tudo de novo, abrir um novo livro e empurrar a pedra até o topo do morro que vejo daqui da porta da minha toca. Sei que ela vai descer depois. Vai rolar de volta. Se não passar por cima de mim, tudo bem.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

"Eu te amo" ou sinal do Diabo?

Fonte da imagem: blog Mundo do Silêncio

Corre solta na internet mais um exemplo da imbecilidade humana, ou melhor, da imbecilidade religiosa humana. Tempos atrás escrevi aqui no blog sobre o símbolo da paz, que é considerado pelos crentoides como o símbolo do Anticristo. Agora um outro sinal, com um significado bem diferente, é atribuído ao Capeta.
Num especial de Natal, a Xuxa (que tem uma folha corrida enorme na ficha policial dos crentes), depois de fazer o sinal da cruz, fez um gesto na Linguagem Brasileira de Sinais - Libras:O vídeo postado no You Tube foi considerado pelos crentoides como mais uma ligação dela com o Tinhoso, com o qual teria feito um pacto. Aliás, a Igreja Universal foi condenada a pagar uma indenização à Rainha dos Baixinhos por dedicado uma reportagem no jornal Folha Universal ao caso: http://veja.abril.com.br/noticia/celebridades/folha-universal-e-multada-por-acusar-xuxa-de-satanismo

Só falta alguém dizer agora que os criadores da Libras tinham ligação com o dia…